Fé Cega Faca Amolada

" Agora NãO pergunto mais aonde vai a estrada
Agora não espero mais aquela madrugada
Vai ser, vai ser, vai ter que ser, vai ser faca amolada.
O brilho cego de paixão e fé faca amolada
======================================
Deixar o seu aMoR cresCER na Luz de cada dia


Brilhar Brillhar aonctcer Brilhar

Seguidores

terça-feira, 29 de abril de 2014

Todo mundo é uma caveira por dentro
sentindo em  nervos de ferro fudido
o tempo corrozívo na decadência intelectual.
Atualmente não atuam muitas mentes mas sim dementes
Mente atual , nao cria descontrói
Atualizando seu conteúdo em hds que não valem a  experiência
formatada em valores, por tantos motivos, frágeis
Os conceitos básicos do seu estado de sobrevivência neste único momento
que não se repetirá, jamais...
 

4 comentários:

Mônica Marques disse...

Todos nós somos caveiras, sangue, alma, calor, dor ,alegria, dúvidas e do pó viemos e ao pó retornaremos! O que vale na verdade e da verdade sabemos,são que os momentos presentes são únicos! No presente é que nós direcionam para a demência ou controle da razão. Sua mente escolhe formatar para criar uma memória seletiva ,criando uma nova realidade ou abrindo a porta do inferno da culpa. Lembre-se " Tudo é lícito até ... sua consciência se rebelar contra você e suas escolhas...mas sempre aprenda a se perdoar e seguir em frente! Bj grande!

Mônica Marques disse...

Todos nós somos caveiras, sangue, alma, calor, dor ,alegria, dúvidas e do pó viemos e ao pó retornaremos! O que vale na verdade e da verdade sabemos,são que os momentos presentes são únicos! No presente é que nós direcionamos para a demência ou controle da razão. Sua mente escolhe formatar para criar uma memória seletiva ,criando uma nova realidade ou abrindo a porta do inferno da culpa. Lembre-se " Tudo é lícito até ... sua consciência se rebelar contra você e suas escolhas...mas sempre aprenda a se perdoar e seguir em frente! Bj grande!

Fernando Reis Rodrigues disse...

Boaaaaa !!! Minha Amigaaa!!
como sempre!

Mônica Marques disse...

Sempre velho!